Sobre o esporte

O tenente do exército brasileiro Guilherme Paraense foi o primeiro esportista do país a ganhar uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, feito conseguido nos Jogos de Antuérpia 1920, na modalidade tiro rápido. Durval Guimarães representou o Brasil em cinco olimpíadas consecutivas.

O tiro prático no Brasil é a união de várias modalidades nacionais e internacionais, sendo dirigido e organizado pela Confederação Brasileira de Tiro Prático, sucessor da Associação Brasileira de Tiro Prático fundada em 1989 pela Federação Gaúcha de Tiro Prático, Federação Paranaense de Tiro Pratico e Federação Paulista de Tiro Prático.

Apenas na década de 50, o Tiro Prático começou a ser desenvolvido, no sul da Califórnia (EUA). Já a fundação do esporte ocorreu em 1976, durante o International Pistol Conference, conhecido como “Conferência de Columbia”, na cidade de Columbia, no Missouri (EUA). No evento, esportistas de todo o mundo discutiram sobre a estrutura e a organização do esporte. Nesse momento, foi redigida uma constituição e surgiu a Confederação Internacional de Tiro Prático – International Practical Shooting Confederation (IPSC) – cuja sigla dá nome à modalidade.

Inicialmente, as provas eram uma mistura de desafios, que envolviam sacar a arma rapidamente, vencer ou contornar obstáculos de modo a poder visualizar os alvos. Após o amadurecimento do esporte, uma competição é composta por várias pistas ou “stages”. Nelas são simulados vários cenários e situações que desafiam os atiradores a demonstrar suas melhores capacidades. O grande objetivo é resolver a pista no menor tempo possível, com a maior pontuação. Não existe pontuação máxima. O atleta faz o seu limite.